domingo, 3 de janeiro de 2010

Existe uma dimensão das coisas dentro de mim, sobretudo da beleza, que se recusa a morrer. Só eu a encontro. Não cabe a absolutamente ninguém censurá-la. Prefiro ser fiel a mim mesma. Não faço questão de ser normal.

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir